sábado, 31 de outubro de 2009

OS PERIGOS IMAGINÁRIOS DOS TELEMÓVEIS

Habitual destaque de fim de semana tirado da coluna "What's New" do físico Robert Park:

"CELL PHONES: CANCER IS THE ONLY THING THEY DON’T CAUSE.

A call to 911 on a cell phone saved my life when a tree fell on me, but I still refuse to carry one of the damned things. They are rude and obtrusive and they go off in my class when I'm lecturing - but they don't cause cancer. Yes, I know¸ there’s another study that says they do. Cancer can result from mutant strands of DNA caused by radiation, but not by radiation in the microwave spectrum. It's not nearly energetic enough, and that's that. These are not studies done in a laboratory; they are statistical studies cooked from phone-company records and seasoned with a handful of celebrity anecdotes. Almost everybody uses a cell phone today. Is brain cancer a new problem?"

Robert Park

1 comentário:

  1. O Direito ao Disparate, embora não constitucionalizado, existe.

    Há já vários tipos de tumor comprovadamente atribuídos ao uso do telemóvel, mesmo em órgãos onde alguns iluminados que tudo sabem não esperariam encontrá-los, como a vista ou o ouvido. E um pouquinho mais abaixo na anatomia, há até um elucidativo estudo sobre a correlação entre o aborto espontâneo e a EMR, com resultados esclarecedores...

    Se o poder da indústria não se sobrepuser ao interesse da ciência, a OMS publicará no final do ano o mais aprofundado estudo feito sobre o problema. Claro que há muita gente nervosa, tanto mais quanto a indústria sempre esgrimiu as posições da OMS que coincidiam com as suas... Agora vão ter de deixar de invocar as posições oficiais da OMS... na sua propaganda dispersa pela Net para confundir os espíritos...

    Até lá, o Reflex (Risk Evaluation of Potential...) dá uma ajudinha. Custa é encontrar um link na Net que funcione. Mesmo sendo um estudo encomendado pela UE, alguém se esforçou por desactivar uma série de links. Mas há sempre um que escapa.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.